Rua Padre António Vieira, Edifício da AAC, 3000-315 Coimbra gefac.uc@gmail.com 239 826 094

O Capote

A comédia “Um Dia de Inverno ou o Capote” é a quinta peça de Teatro Popular Mirandês (TPM) levada à cena pelo GEFAC. Nesta obra são relatados os factos excepcionais ocorridos em Vilar Molhado, concelho de Vimioso, na noite em que “o capote” desapareceu misteriosamente. Durante o decorrer da peça, o espectador vai tendo contacto com diversas personagens próprias deste género teatral, num universo muito particular e marcadamente intemporal. A Igreja e o Ferreiro/Inferno servem de moldura ao cenário, evidenciando a presença constante da Moral que guia as diferentes personagens. Todas as cenas são pontuadas por uma tocata que está permanentemente em palco.

capote1

Venho anunciar-vos, povo honrado,
O que vamos representar
As passagens desta obra
Que agora vamos principiar

Aconteceu há dias um passo
Um passo de admirar
Prestai a vossa atenção
Ao que eu vos vou contar

No concelho do Vimioso
Freguesia de Vilar Molhado
Aconteceu o tal sucesso
Que vai ser representado

Chovia que Deus a dava
Pelos últimos dias de Janeiro
Veio um rapaz das vacas
Que tinha estado num lameiro

Chegou a casa molhado
Com vontade de cear
Pendurou o capote num carro
E foi a roupa mudar

Diz o pai para a família
Quando estavam a cear:
Hoje tocamos às almas cedo
Pitágoras, vai já tocar

O rapaz obedece ao pai
E põe-se logo a andar
Vai em busca do capote
Com tenção de ir a tocar

O capote não aparece
Que tinha sido roubado
Por mais voltinhas que deram
Não foi possível encontrá-lo

Correram currais e palheiros
Correram lojas e tabernas
Deram tantas voltas
Já nem se tinham nas pernas

Então o pai mui astuto
Depois de muito pensar
Repartiu a família toda
Pelas ruas do lugar

Saiu então Leopoldo
apresentou o capote logo
Foi assim que apareceu
Nem podia ser de outro modo

Corre Pitágoras ligeiro
A avisar a família toda
Que ficou toda contente
Com aquela boa nova

Vereis também Serafina
Chamando pelo Carrapatas
Para mijarem ambos juntos
Olhai que cousas tão guapas

Lucrécia mãe de Pitágoras
Promete muitas promessas
Aos santos e santas do Céu
Até prometeu fazer festas

Rezou muitos Padres-Nossos
Fez mui grandes rezadas
Mas o capote apareceu
Foram bem aproveitadas

Rezou ela e o Pitágoras
Muitos rosários de quinze dezes
Deus lhes dê muita saúde
Para os rezarem mais vezes

Cumpriram as promessas todas
Nada ficaram a dever
Agora que tenham cuidado
Não o voltem a perder

Aqui vos deixo resumido
O que vamos representar
Logo o vereis muito mais claro
Que eu vos estou a falar

Partilhar